UTILIZE O CUPOM
PRIMEIRACOMPRA
GANHE 5% DE DESCONTO E 5% DE CRÉDITO EM TODAS AS COMPRAS.
CUPOM
PRIMEIRACOMPRA
5% OFF + 5% DE CRÉDITO.

Escolha seus produtos para saúde
células falciformes


A terapia genética pode ajudar a curar a doença falciforme?


Uma terapia genética que poderia fornecer uma cura permanente para a doença falciforme continua apresentando sucesso por meio de uma terceira leva de pacientes, relatam os pesquisadores.

 

A terapia, LentiGlobin, restaurou a função normal do sangue em 35 pacientes com células falciformes que realizaram o procedimento único, de acordo com os resultados dos ensaios clínicos publicados em 12 de dezembro no New England Journal of Medicine.

 

Os pacientes estão agora produzindo quantidades estáveis ​​de glóbulos vermelhos normais contendo hemoglobina saudável, disse a pesquisadora principal Dra. Julie Kanter, diretora da University of Alabama em Birmingham's Adult Sickle Cell Clinic.

 

Além disso, eles não sofreram os episódios de dor intensa que acompanham a doença das células falciformes, disse ela.

 

"É o início de uma nova vida" para esses pacientes, disse Kanter.

 

Cerca de 49 pacientes foram tratados com LentiGlobin até agora, de acordo com o desenvolvedor da terapia genética, a empresa farmacêutica Bluebird Bio.

 

A doença falciforme afeta a forma dos glóbulos vermelhos de uma pessoa. Normalmente, essas células têm forma de disco e são flexíveis o suficiente para se moverem facilmente através dos vasos sanguíneos.

 

Os glóbulos vermelhos de uma pessoa com doença das células falciformes têm a forma de lua crescente, assemelhando-se a uma foice. As células são rígidas e pegajosas e causam episódios de dor e outros problemas de saúde quando se agrupam em diferentes partes do corpo.

 

Esses problemas são causados ​​por uma substância chamada hemoglobina, que é a parte de um glóbulo vermelho que transporta oxigênio para os tecidos do corpo, explicou Kanter. Um gene defeituoso faz com que o corpo produza hemoglobina defeituosa que distorce a forma das células sanguíneas.

 

"Eles ainda carregam oxigênio, mas não retêm o oxigênio também, e quando as células perdem oxigênio, a hemoglobina se entrelaça com as outras hemoglobinas, fazendo com que a célula fique deformada e falciforme", disse Kanter.

 

Nesta terapia, as células-tronco são removidas da medula óssea produtora de sangue de uma pessoa. Os técnicos de laboratório os expõem a um vírus que insere neles uma cópia saudável do gene defeituoso da hemoglobina.

 

Enquanto isso ocorre, a medula óssea restante do paciente é morta com quimioterapia. As células-tronco reparadas em laboratório são então implantadas e começam a produzir hemoglobina saudável.

 

"É como fazer um transplante de medula óssea em você mesmo", disse o Dr. Lewis Hsu, diretor médico da Sickle Cell Disease Association of America.

 

A atualização do ensaio clínico publicada no NEJM - e apresentada simultaneamente em uma reunião da Sociedade Americana de Hematologia, em Atlanta - dizia que, até três anos após seu tratamento, a terceira onda de pacientes com LentiGlobin exibia uma série de sinais promissores indicando um cura permanente:

 

  • Quase todas as células vermelhas do sangue contêm hemoglobina saudável, em vez da hemoglobina defeituosa causada por genes defeituosos.


  • Seus glóbulos vermelhos estão se decompondo em um ritmo normal; a doença das células falciformes geralmente faz com que as células se rompam muito mais rapidamente.


  • Nenhum experimentou episódios de dor severa que os levou ao departamento de emergência; antes do tratamento, eles normalmente sofriam mais de três por ano.


"Esta é uma melhoria tremenda, já que muitos desses indivíduos tiveram vários eventos antes deste transplante, quando estavam no hospital ou no departamento de emergência por causa desses eventos dolorosos horríveis", disse Kanter.

 

Os pesquisadores continuam a monitorar os pacientes em busca de uma indicação final de uma cura verdadeira - a saúde de seus órgãos a longo prazo. A célula falciforme causa estresse nos rins, pulmões, coração e cérebro, e espera-se que o tratamento com LentiGlobin previna os danos aos órgãos causados ​​pela doença.

 

“Só não sabemos disso ainda porque leva muito tempo para reunir essas informações, mas é realmente empolgante”, disse Kanter.

 

A comunidade da doença falciforme tem lutado pelo sucesso do LentiGlobin, disse Hsu.

 

"Esta é a terapia genética que está há mais tempo no mercado para as células falciformes", disse ele.

 

No entanto, Hsu observou que há questões de segurança que ainda precisam ser resolvidas com o procedimento.

 

Um dos primeiros pacientes tratados com LentiGlobin desenvolveu leucemia cerca de cinco anos depois e morreu, disse Hsu.

 

Um segundo artigo publicado no novo NEJM lançou alguma luz sobre sua morte, explicando que a própria LentiGlobin não causou diretamente sua leucemia. Em vez disso, parece ter sido causado de alguma forma por sua doença falciforme em combinação com o procedimento de transplante.

 

A leucemia tem sido uma preocupação com esta terapia, disse Kanter.

 

"Nós nos preocupamos que, quando o vírus introduz o novo gene, ele o coloca em algum lugar que não deveria", disse ela. "Não foi isso o que aconteceu. Não foi o que aconteceu. Não foi nada relacionado ao LentiGlobin em si, mas ao processo de transplante de células-tronco, nós achamos."

 

Desde aquela primeira leva de pacientes, disse Kanter, os pesquisadores mudaram a forma como as células-tronco são coletadas e como o vírus é apresentado a elas.

 

Os pesquisadores esperam que as mudanças evitem o processo que causou a leucemia. "Esperamos ter evitado aquele estresse extra na medula óssea", disse Kanter.

 

Combinados, os dois artigos estão "mostrando resultados realmente bons". Hsu disse que a coisa agora é descobrir quais riscos a terapia genética pode representar.

 

"O fato de que ainda não foi explicado ainda nos faz olhar para o sucesso disso e perceber que ainda há riscos na terapia gênica, ainda há riscos nos ensaios clínicos", acrescentou.

 

Kanter espera que o LentiGlobin seja aprovado pela Food and Drug Administration nos próximos anos. A cura provavelmente será cara, levando em consideração o custo da terapia, a quimioterapia e as semanas passadas no hospital.

 

"Infelizmente, acho que por muito tempo será muito caro. Os próximos passos são como tornar mais fácil, menos caro e mais disponível", disse Kanter.

 

Mais Informações: O Instituto Nacional de Saúde dos EUA tem mais informações sobre a doença das células falciformes.

FONTES: Julie Kanter, MD, diretor, Adult Sickle Cell Clinic, e professor associado, divisão de hematologia e oncologia, University of Alabama at Birmingham; Lewis Hsu, MD, PhD, diretor médico, Sickle Cell Disease Association of America, Hanover, Md.; New England Journal of Medicine , 12 de dezembro de 2021, online; apresentação, reunião da American Society of Hematology, Atlanta, 12 de dezembro de 2021

Por: Dennis Thompson (jornalista de saúde).

Encontre seus produtos para saúde e receba em todo Brasil.
Lembrou de alguém? Compartilhe!
  • Monitor de Sinais Vitais EMAI MX-500 1 un - Transmai

    Por: R$ 14.142,86

    Comprar
  • Curativo Hidrocolóide Elect Hydro Hydrocolloid Border Dressing 15x15cm - 10un - Smith and Nephew

    Por: R$ 410,06

    Comprar
  • Detergente Enzimático Riozyme Pronto Uso 750ml - Rioquímica

    Por: R$ 62,02

    Comprar
  • Dreno de Tórax Radiopaco Estéril Drenozamm FS16 10 unidades - Zammi

    Por: R$ 142,86

    Comprar
  • CONECTOR VALVULADO MPLUS 150UN

    Por: R$ 685,71

    Comprar